MP APOIA AÇÃO MOVIDA PELA ONG FERROFRENTE

Na ação civil pública nº 1036390-31.2016.8.26.0053, da 12ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, movida pela Frente Nacional pela Volta das Ferrovias, a Ferrofrente, contra o abandono do Monotrilho (Linha 17-Ouro do Metrô de São Paulo) o Ministério Público foi chamado para se manifestar sobre os pedidos feitos pela ONG. Os pedidos incluíam a retomada imediata das obras do monotrilho, a apresentação de projetos e cronograma de execução, e o pagamento de indenização ao fundo de direitos difusos.
Em sua manifestação, o MP reconhece a relevância da ação movida pela Ferrofrente e informa que compartilha da mesma preocupação quanto ao abandono do traçado do monotrilho, que resulta em degradação do espaço urbano com a montagem de barracos sob a linha. O MP destaca que muitas residências foram removidas em toda a linha,e os moradores que tiveram que deixar suas casas manifestam indignação com o atraso das obras, prometidas para a Copa do Mundo em 2014. Muitos ameaçam voltar para o local e morar embaixo da linha, como forma de protesto.
O MP cita outros casos de obras de mobilidade que, no passado, nunca foram executadas e resultaram no surgimento de ocupações de moradia em seus traçados, o que motiva a participação ativa do órgão na ação movida pela Ferrofrente. Em sua manifestação, o MP pediu que fosse determinado ao Metrô a vigilância permanente da linha do Monotrilho, e apoiou todos os pedidos da Ferrofrente.
Para Bruno Meirinho, advogado da Ferrofrente, “a petição do Ministério Público reforça todos os nossos argumentos. O abandono do monotrilho é insuportável, e a justiça deve determinar providências imediatas”. José Manoel, presidente da entidade, reforça “nossa luta é pela volta dos trilhos, com qualidade e com todos os efeitos positivos. São muitas promessas de ampliação da mobilidade sobre trilhos, mas faltam ações concretas.”
email_mkt1_sorocaba-001

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *